Figuras da Corte

As 16 figuras do Taro podem ser consideradas um grupo a parte dentro do sistema, opera a conexão entre os arcanos maiores e a abstração dos números de 1 a 10 dos menores. Representam as personalidades com as quais os arquétipos se manifestam, são as máscaras que os seres humanos utilizam para se apresentarem nas várias circunstancias da vida. A corte nos mostra a atuação individual do consulente em determinado evento representado pelas 10 cartas dos arcanos menores em múltiplas combinações com os 4 naipes, e a atuação de outras pessoas envolvidas na situação estudada, o grupo nos oferece o perfil psicológico de acontecimentos análogos ao elemento a que pertencem.

Rei de Paus



Os Reis representam o poder, a força masculina, ativa e fecundante. São aspectos astrais e, portanto podem se manifestar através de uma figura do sexo feminino com características ativas. Simbolizam o Pai ou um protetor, o companheiro ou amante, o instrutor e mestre, um herói como exemplo a ser seguido, alguém que adquiriu sabedoria e mestria em uma área especifica de acordo com seu elemento.

Rainha de Espadas






As Rainhas estão relacionadas as energias receptivas e passivas, as forças de luz e sombra da natureza humana. A compaixão e misericórdia e a geração. Toda realização é moldada pela natureza feminina, através do sentimento e da emoção a vontade de fecundar ganha forma. 




Cavaleiro de Paus






Os cavaleiros são dinâmicos e energeticamente vitalizados personificam os processos de transformação das energias para que tudo se desenvolva, simbolizam a liberdade, as travessias e as lutas, as chegadas e partidas, Grandes buscadores podem representar a adolescência e a juventude, possuem o desejo de desbravar e oferecer algo novo ao ambiente.

Princesa de Paus









Os Valetes representam a curiosidade e expectativa da criança, a jovialidade, aspiração e motivação que impulsiona a busca, é o trabalho realizado. Simbolizam os filhos, como fruto de tudo o que foi desenvolvido anteriormente. É o mensageiro que soluciona os conflitos, apresentado em alguns tarôs pela princesa como elemento receptivo e passivo que operam as transformações necessárias no meio.